terça-feira, 8 de novembro de 2016

Registros de Márcio Melo na Semana do Teatro no Maranhão

No dia 1º de outubro de 2016, participamos da Semana do Teatro no Maranhão. A Obra Cênica #1 foi apresentada no Theatro Arthur Azevedo.







No mundo das Artes Cênicas - O Estado do Maranhão


Fonte: O Estado do Maranhão (01/10/2016)

Príncipe Norueguês na Semana do Teatro no Maranhão

Príncipe Norueguês é uma cena onde  Danilo Castro embranquece em público. O trabalho foi apresentado como prólogo da Obra Cênica #1, que participou da Semana do Teatro no Maranhão, em outubro de 2016. Os registros são de Márcio Melo.






segunda-feira, 25 de julho de 2016

DEUS É NEGRA



DEUS É NEGRA é uma intervenção de lambe-lambe que contesta o ideal de soberania racial e de gênero atribuído a Deus no Cristianismo. A motivação surgiu quando Danilo Castro, na adolescência, não se permtiu encenar Jesus durante uma Paixão de Cristo.

Afinal, Danilo não se sentia imagem e semelhança de Deus por ser negro, já que a imagem de Cristo que ele conhecia, imposta ao imaginário popular, é sempre a de um homem branco, dos olhos claros e cabelos lisos.



Em Gêneses 9:1-29, Noé amaldiçoa o neto: "Maldito seja Canaã; servo dos servos seja aos seus irmãos". Canaã é filho de Cão, que significaria, em hebraico, escuro ou queimado. Cão foi o responsável por povoar a África após o dilúvio.

Esse motivo legitimou a escravidão imposta pelos europeus ao povo negro - os colonizadores estariam resguardados pela #BíbliaSagrada. Parece mentira, mas ainda hoje, fundamentalistas como Marco Feliciano soltam pérolas justificando porque negros são amaldiçoados.


O trabalho contou com a colaboração da designer Letícia Maria Lima, autora do projeto "rabisco". Os lambes foram colados dia 17 de julho de 2016, em Brasília, pelos arredores da Catedral.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

VOCÊ NÃO É NEGRO, Festival da Utopia (RJ)

Festival Internacional da Utopia, Maricá (RJ). Foto: Danilo Zuleta
"VOCÊ NÃO É NEGRO" é uma intervenção urbana de resgate às memórias que roubaram a negritude de Danilo, autor do trabalho. A partir da técnica do lambe lambe e pintura, cartazes são distribuídos pela cidade junto a uma carta aos racistas, com frases doloridas que até hoje ecoam na trajetória do artista. A intervenção é parte do Projeto Achados & Perdidos, de Fortaleza (CE), coletivo que utiliza reminiscências pessoais para para criar obras em várias linguagens.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Aqui jaz um amor perdido

Parada de ônibus da Vila Planalto (Brasília)
Intervenção pelas paradas de ônibus de Brasília, 12 de junho de 2016.